CIDREIRA CARNAVAL 2014

CIDREIRA CARNAVAL 2014

CIDREIRA CARNAVAL DE 2014

CIDREIRA CARNAVAL DE 2014

terça-feira, 11 de setembro de 2007

História de Cidreira

Em 1767 a Coroa de Portugal doou a sesmaria de Cidreira para o Almoxarife-Mor Manuel Pereira Franco. Possuia de frente 4,5 léguas (29.700m), com 2,5 léguas de orla marítima (16.500m) e era composta pelas fazendas Cidreira, Rondinha, Roca Velha, Ponta do Mato e Porteira. Posteriormente, devido à sonegação de impostos, a Coroa confiscou as terras para serem leiloadas.
Em 1819 a Sesmaria de Cidreira foi comprada por Luiz José Ferreira Saraiva, legando ao filho Francisco Pereira Saraiva as terras do Norte: Roca Velha, Rondinha e Cidreira.
Somente após 1860 começaram a vir para Cidreira os primeiros veranistas, ficando em casas de palha, com chão de areia batida. Dentre os pioneiros encontravam-se as famílias Pilla, Boppe, Mostardeiro, Chaves Barcellos, Alberto Bins, J.H.Santos e outras.
Devido ao difícil acesso não havia moradores, o que passou a ocorrer após a construção do primeiro farol, destacando-se João Neves, Fiscal do Governo Estadual, que passou a residir aqui para impedir a construção de casas sem a autorização do Governo.
A partir de 1930 começaram a surgir as primeiras casas de madeira, sendo construída (em madeira) a Igreja Nossa Senhora da Saúde, surgindo, também, os Hotéis Atlântico (no local onde hoje é a Estação Rodoviária), Farroupilha (atualmente Edifício Alvorada), Castelo, Farol, Cidreira e outros.
Em 1950 foi iniciada a construção da estrada ligando Porto Alegre ao litoral (concluida em 1958), desenvolvendo-se o processo de urbanização de Cidreira/Pinhal. Em 1954 a CEEE instalou o primeiro gerador de energia elétrica, seguindo-se na década de sessenta o primeiro posto telefônico e o serviço de tratamento da água, pela Corsan.
O município teve a sua origem em Santo Antonio da Patrulha, passando mais tarde a pertencer a Osório e, por fim, a Tramandaí – até que, em maio de 1988, foi emancipado.

REFORMA NO ESTÁDIO FOI SÓ NA APARÊNCIA

REFORMA NO ESTÁDIO FOI SÓ NA APARÊNCIA
Nada foi feito para recuperar a estrutura - Colocaram a população em risco. Leia aqui

QUEM SERIA O RESPONSAVEL SE AS ARQUIBANCADAS CAISSEM

A irresponsabilidade da realização dos jogos no Estádio de Cidreira colocou em risco milhares de pessoas.
As ferragens estão comprometidas e uma recuperação total é caríssima e portanto foi feito apenas uma maquiagem para os jogos.
Haja dinheiro público pára este tipo de obra sem futuro e de grande risco.
O pior foi à negligência das autoridades que não fizeram nada embora fossem sabedores da situação do estádio e mesmo se não soubessem não faltou aviso

Engenheiro Henrique Wittler

Cidreira no Earth Google

Para ver os postes dos itens seguintes, você deve ter instalado no computador o Earth Google. Se não tiver, instale o mesmo clicando aqui
* Ginásio de Cidreira em 3D
* Esquina Av. Cidreira com Rua 9 - Fotos

Veja um slide de imagens de satélite

Acesso á página da Prefeitura de Cidreira